quarta-feira, 31 de maio de 2017

Momento de agir




Se você está insatisfeito com o trabalho social realizado, não vê os resultados, não vê o impacto esperado. Esse é o momento certo para agir e mudar a forma de como intervir.

Para esse processo de mudança, é possível iniciar fazendo 3 perguntas básicas que vão nortear a forma de agir. São elas:

  • O que fazemos?
  • Como fazemos?
  • Como deveríamos fazer?

A medida que você responde a esses questionamentos, desperta uma profunda reflexão que consequentemente atua na mudança de sua prática na direção de fazer a diferença na vida das pessoas, buscar a desejada transformação social.

Nesse processo, sempre comece sua ação fazendo juntos, certamente as mudanças serão mais significativas e com maior impacto. Existe uma grande diferença em fazer para e fazer juntos. A opção de fazer juntos define claramente a direção de sua ação e consequentemente seus resultados para a transformação social.

Conhecer, interpretar e transformar fenômenos sociais é um processo que assenta num questionamento permanente, numa prática crítica e reflexiva de quem faz intervenção social, ou seja quem age.

Acredito que essas 3 perguntas devam acompanhar suas práticas, suas ações, elas o ajudarão a nortear seu agir e a fazer a diferença na vida das pessoas.

Espero que vocês aproveitem as dicas e aplique no dia a dia para que possam promover a transformação desejada em suas ações sociais.

Abraços,
Samara Arpini

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Projetos Sociais que inspiram




Sabemos que pequenas ações podem fazer diferença na vida de muitas pessoas.

Um projeto social para ser inspirador precisa alcançar seu objetivo/propósito de impactar transformar a vida das pessoas positivamente. Mas para isso, precisa de algumas premissas, que ao meu ver, são extremamente relevantes, saiba quais são:


  • Dar voz a comunidade;

  • Fomentar o protagonismo, autonomia e empoderamento;

  • Promover a participação de todos os envolvidos;

  • Buscar soluções e fazer juntos;

  • Identificar, conhecer quais são problemas, necessidades e capacidades;

  • Olhar as pessoas com respeito, valorizá-las, ter um olhar positivo frente os desafios, acreditar que tudo pode se transformar;

  • Não criar dependência.

Essas são algumas premissas que ao meu ver, tornam projetos sociais inspiradores. E para você, quais os pontos mais relevantes num projeto social para que ele se torne inspirador. 

Deixe seu comentário, gostaria de saber sua opinião.

Abraços,
Samara Arpini

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Como fazer boas perguntas



 Desenvolvendo habilidades para fazer boas perguntas

Para quem deseja intervir ou já desenvolve ações sociais e deseja ser um facilitador mais efetivo para poder ajudar outras pessoas, precisa aprender a fazer boas perguntas. Lembre-se dessas duas premissas básicas: ouvir as pessoas atentamente e saber fazer as perguntas certas no momento certo.

Essa capacidade depende, por sua vez, da habilidade de ouvir efetivamente. Pois ambas funcionam juntas, ouvir as pessoas atentamente nos ajuda a fazer boas perguntas. Quando fazemos boas perguntas abrimos possibilidades de obter respostas mais relevantes. O objetivo final é ajudar as pessoas a ouvirem o mundo com mais profundidade e formularem boas perguntas sobre ele por conta própria. Assim, estaremos trabalhando o empoderamento das pessoas.

Perguntas eficazes devem ser poderosas e provocativas. São perguntas que questionam “o que” ou “como” e quase nunca o “por que”. As perguntas que usam “por que”, são boas para extrair informações, mas pode deixar as pessoas na defensiva. Outra dica para fazer perguntas eficazes é aguardar a resposta com paciência, dando às pessoas mais espaço para pensarem de forma profunda.

Outra sacada que faz toda a diferença é quando você está trabalhando em conjunto com outras pessoas para resolver um problema, não basta dizer qual é o problema, não é o suficiente, elas precisam descobrir o problema por si mesmas. Você pode ajuda-las a fazer isso elaborando perguntas provocativas a elas, em vez de fazer suposições sobre o que acha que a outra pessoa pode saber, você pode perguntar: Qual você acha que é o problema?

Perguntas eficazes são inúteis se você não tem capacidade de suspender seus julgamentos e ouvir. Isso significa ter a intenção de compreender o que a pessoa está realmente falando, ao menos, o que ela está querendo dizer. O que está por trás de suas palavras? Deixe de lado suas próprias opiniões, para que elas não bloqueiem a sua compreensão e a sua capacidade de apreender informações importantes e preste atenção à sua intuição e instinto para obter informações adicionais.

Aproveite as dicas e comece a fazer perguntas mais eficazes, seja um facilitador mais efetivo e ajude as outras pessoas a se desenvolverem.

Depois comente aqui os resultados.

Abraços,
Samara Arpini