quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Quais os motivos que movem suas ações sociais?





·         Aprender a ser

·         Aprender a conviver com o próximo

·         Aprender a aprender

·         Aprender a fazer
 

Esses são os 4 pilares de educação criados pela UNESCO. Baseado nessa filosofia norteadora criou-se o Instituto Ayrton Senna. Qual o motivo que move a sua ação social?

Entendemos que eles são de extrema relevância para embasar e nortear nossas ações.

Compartilhe suas motivações, elas podem inspirar outras pessoas!

Abraços,
Samara Arpini



quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Diferenças entre as formas de intervenção



Filantropia
Filantropia é a atitude de ajudar o próximo, ou seja, agir com humanitarismo. É um termo é de origem grega, que significa "amor à humanidade". É um ato de beneficiar alguém que necessita. Muitas ações fazem parte da filantropia, como, por exemplo: fazer caridade através de donativos (roupas, comida ou dinheiro, entre outros), assim como trabalhar como voluntário em uma causa que vise ajudar os demais – direta ou indiretamente. Podendo ser praticadas em igrejas, hospitais, escolas e entidades sociais. Caridade é um termo que pode ser associado como sinônimo de filantropia.

Transformação Social
Transformar significa dar nova forma a; tornar diferente do que era. Transfigurar, alterar, modificar. Adquirir nova forma ou caráter. Transformação social é o ato ou ação de mudar de um estado para outro. Como podemos verificar de forma simplificada no exemplo que segue, do problema social como é o caso da obesidade infantil e este estado sendo superado com ações que geram o envolvimento das crianças e suas famílias em ações de nutrição através de alimentos saudáveis, fazendo campanhas envolvendo todos os interessados, que por fim resulta em uma mudança, que gera a transformação na vida das crianças, ou seja, a superação do problema da obesidade em suas vidas. Geralmente são ações de longo prazo que geram mudanças, impactam a vida das pessoas transformando para melhor. 

Podemos concluir que a filantropia não estimula a transformação social, mas a transformação social impulsiona a filantropia. Por isso lidar com os problemas sociais por meio de atividades filantrópicas terá apenas o impacto imediato, mas não a transformação de vidas com a resolução do problema.

Ambas as iniciativas e ações são importantes, diante do cenário de inúmeros problemas sociais que se agravam diariamente em nossa sociedade, porém acreditamos que somente com ações transformadoras, podemos fazer a diferença na vida das pessoas em situação de risco social.

Abraços,
Samara Arpini


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Papel do facilitador





Compreendemos que é importante o papel do facilitador em processos de desenvolvimento social. Mas antes de compreender qual o papel do facilitador temos que entender o que é um facilitador, para tanto buscamos algumas definições para nos ajudar a pensar:

“O termo ‘facilitador´ pode entender-se aqui como: agente de mudança, organizador comunitário, promotor, educador popular, desenvolvedor, trabalhador social, agente comunitário, supervisor de projeto ou qualquer outra palavra que se utilize para designar a todas aquelas pessoas que se encontram comprometidas em relações de ajuda”.
Os facilitadores frequentemente iniciam seu trabalho sem estar capacitados para um papel que vai mais (além de sua preparação técnica e acadêmica).
Frances O´Gorman (Facilitadores de Mudanças – MAP Internacional - Pág.2)

“Facilitar é a arte de NÃO introduzir ideias na mente dos outros, mas para desenhar as ideias a partir deles”.
Anônimo

Um bom facilitador é aquele que fala pouco. Quando tudo está feito e o objetivo cumprido, eles dirão “temos conseguido isso por nós mesmos”.
500 ac

“Não existe um modelo de facilitador, não há um padrão fixo de como agir, porque este é um papel interativo é realizada em situações de mudança e em um momento histórico específico. O papel da facilitação é feito na fase de processo de um e depende das condições de consciência, compromisso, a experiência de ação e reflexão tanto pelo facilitador e do grupo para realizar o seu projeto ou processo”.

Frances O´Gorman (Facilitadores de Mudanças – MAP Internacional - Pág.3)

“O facilitador não constrói a história do outro: começa a conversar, dando lugar a possibilidade de mudança. Quando facilitamos buscamos abrir histórias para construir outras.
Falamos de troca e interação, reuniões onde podemos reconhecer o outro, valorizar as diferenças e as semelhanças.
El Agora

Frances O’Gorman disse:
“A facilitação é um papel, uma função dentro de um marco delimitado de circunstâncias; não é uma carreira, nem sequer uma profissão, uma vocação o conteúdo de uma oficina. É um papel que se cumpre através de profissões, vocações e habilidades específicas, para interagir com os pobres na obtenção de mudanças.” Os facilitadores dedicados continuamente buscam melhorar seu conhecimento e capacidade profissional, o mesmo para suas habilidades de facilitação para cumprir melhor seu papel de serviço...”
 
Tomando por base as definições aqui mencionadas, nos mostram que facilitador não é um cargo ou função, mas sim um papel que se desempenha com comprometimento, onde qualquer um envolvido no processo pode se tornar um facilitador e contribuir para o desenvolvimento social.

No próximo post sobre o assunto vamos abordar algumas das habilidades chaves do facilitador.

Até lá.

Abraços,
Samara Arpini